07.09.2019 - Brasília/DF - Silvio Santos e Íris Abravanel prestigiam o desfile de 7 de Setembro. Foto: Alan Santos/PR
8 de julho de 2020

Brasa, episódio I: Um choque de capitalismo

Para entender a polarização que domina a política brasileira, talvez seja necessário voltar seis décadas no tempo, quando Senor Abravanel, aos 29 anos de idade, começou a adaptar para a TV os shows que apresentava no rádio. Três anos depois, já como Programa Silvio Santos, o empresário conseguiu comprar duas horas das tardes de domingo da TV Paulista. Após migrar em 1965 para a Rede Globo, chegaria a atingir 89 pontos de audiência, o que o transformou não só em uma celebridade nacional, mas num potencial concorrente da própria emissora.

Continuar lendo Brasa, episódio I: Um choque de capitalismo
7.7.2020 - Brasília/DF - Jair Bolsonaro e comitiva participam de almoço com Todd Chapman. Foto: divulgação.
7 de julho de 2020

Qual vontade? Qual momento?

No último 4 de julho, a independência dos Estados Unidos chegou ao 244º aniversário. Por aqui, a data foi marcada por mais uma constrangedora sabujice de Jair Bolsonaro para com Donald Trump, a quem chamou de “grande estadista” em almoço na casa de Todd Chapman, embaixador americano no Brasil.

Continuar lendo Qual vontade? Qual momento?
10.06.2020 - Brasília/DF - Jair Bolsonaro e Paulo Guedes participam de videoconferência. Foto: Isac Nóbrega/PR
6 de julho de 2020

A pandemia não é desculpa para os erros do governo Bolsonaro

Ontem, em entrevista sobre a retomada em um “Brasil Pós-Pandemia“, Paulo Guedes disse que, se o Plano Real fosse mesmo tão extraordinário, o PSDB não teria perdido “quatro eleições seguidas“. Mas, por óbvio, era só mais uma “guedice”.

Continuar lendo A pandemia não é desculpa para os erros do governo Bolsonaro
25.06.2020 - Brasília/DF - Jair Bolsonaro assina do termo de posse de Carlos Alberto Decotelli, ministro da Educação. Foto: Marcos Corrêa/PR
3 de julho de 2020

Ingrediente de bomba relógio

Desde fevereiro de 2009, José Sarney cumpria um terceiro mandato como presidente do Senado. Alguns meses depois, veio à tona que João Sarney, neto do ex-presidente da República, recebera por 18 meses um salário de R$ 7,6 mil para, mesmo sem terceiro grau, trabalhar no gabinete de um aliado do avô.

Continuar lendo Ingrediente de bomba relógio
01.11.2011 - Brasília/DF - A presidenta Dilma Rousseff recebe a faixa presidencial de Lula, no parlatório do Palácio do Planalto. Brasília, 1º de janeiro de 2011. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr
1 de julho de 2020

Uma missão aos viajantes do tempo

Junho de 2007 até deixou algumas marcas na história. Foi nesse mês, por exemplo, que Ali Hassam al-Majid, o “Ali Químico”, findou condenado à morte por crimes contra a humanidade; que a Apple lançou o iPhone; que Renan Calheiros, ainda na Presidência do Senado, se complicava como “Renangate”; e que Lula, com um irmão flagrado sob suspeita de tráfico de influência, defendia o fechamento de um canal de TV na Venezuela.

Continuar lendo Uma missão aos viajantes do tempo
24.04.2020 - Brasília/DF - Pronunciamento do Presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Carolina Antunes/PR

O “sinistério” de Jair Bolsonaro

Na quinta-feira, dia 25, Jair Bolsonaro anunciou e nomeou o novo ministro da Educação. Desde então, descobriram que Carlos Alberto Decotelli teria plagiado trechos de outros trabalhos na dissertação de mestrado, foi reprovado na tese do doutorado, não teria feito pós-doutorado na Alemanha, e exagerou até no currículo militar.

Continuar lendo O “sinistério” de Jair Bolsonaro
10.06.2020 - Brasília/DF - O presidente Jair Bolsonaro, Paulo Guedes durante videoconferência. Foto: Isac Nóbrega/PR
29 de junho de 2020

Paulo Guedes colabora para que “liberal” volte a ser xingamento

O Brasil terminou 2019 com dez entre dez “especialistas” celebrando o que tratavam como o início de um novo ciclo virtuoso da economia. O otimismo nascia da aprovação em outubro da reforma da Previdência, uma pauta que se arrastava por longos vinte anos. Só em março, contudo, a realidade se impôs: o Produto Interno Bruto havia crescido no primeiro ano do governo Bolsonaro o mesmo 1,1% conquistado pelo governo Temer nos dois últimos anos de gestão.

Continuar lendo Paulo Guedes colabora para que “liberal” volte a ser xingamento