Grande História

Ex-presidente em exercício

Jair Bolsonaro

As sabotagens de Jair Bolsonaro, a distante cura para a covid-19, a polêmica MP para evitar demissões, a queda da popularidade presidencial, as discussões sobre impeachment e muito mais.

Só nos últimos três dias, Jair Bolsonaro disse que “não vai ser uma gripezinha” que irá derrubá-lo, reclamou que usam o confinamento para fazer terror, inventou que a população está sendo enganada pelos governadores, cogitou acioná-los na Justiça por ativarem o controle das fronteiras estaduais, centrou na ANVISA a decisão sobre tais restrições, e se queixou de perseguição após a Justiça Federal de Brasília determinar que o hospital que atendeu o presidente apresente a lista com todos os nomes que obtiveram um resultado positivo para covid-19.

Em mais uma tentativa de macaquear Donald Trump, que já havia provocado uma crise global ao anunciar como cura algo que ainda estava em testes iniciais, Bolsonaro publicou nas redes sociais um vídeo em que dizia ter mandado o Exército produzir o que chamava de “possível cura dos pacientes com o Covid-19“. Mas se tratava da mesma medicação cujo uso descontrolado intoxicou duas pessoas na Nigéria.

Um Pio

Desinformando

No mesmo final de semana, Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, e Flávio Bolsonaro, senador e primogênito do presidente, publicaram fora de contexto um vídeo em que Drauzio Varella, ainda em janeiro e bem antes do primeiro caso de covid-19 no Brasil, dizia ser desnecessário evitar as ruas. No domingo, Olavo de Carvalho defendeu em transmissão no YouTube que a epidemia nem existia. Mas Twitter e YouTube finalmente despertaram de um sono profundo e retiraram do ar a desinformação dos aliados do presidente.

Mais um recuo

A segunda-feira amanheceu com o governo Bolsonaro editando uma medida provisória que, no intuito de evitar demissões, permitiria aos empregadores suspender contratos de trabalho por 4 meses sem pagamento de salário. Após as redes sociais criticarem duramente a novidade, o presidente anunciou no Twitter a revogação do polêmico artigo.

Fenômeno atípico

Enquanto o governo federal cometia todas essas trapalhadas, uma funerária de Belo Horizonte vivia um fenômeno atípico: em apenas três dias, recebeu 73 corpos. Mesmo com o governo estadual sem contabilizar uma primeira vítima fatal, um terço deles trazia crises respiratórias semelhantes às da covid-19 como causa da morte. A PM mineira, no entanto, tem alertado para inconsistências do relato. Por enquanto, o Brasil contabiliza 34 óbitos.

Derretendo

O resultado das trapalhadas criminosas já são seis noites de panelaços seguidas. Metade da cidade de São Paulo já acha a gestão Bolsonaro ruim (8%) ou péssima (40%), de acordo com o Ibope. Para 47% dos paulistanos, um eventual apoio do presidente atrapalharia os candidatos a prefeito. Em todo o Brasil, segundo o Datafolha, uma espantosa fatia de 35% aprova as ações de Bolsonaro contra o novo coronavírus, mas o percentual supera os 50% quando se trata do trabalho dos governadores e do ministro da Saúde. E uma maioria acima de 76% dos brasileiros apoia medidas criticadas por Bolsonaro, como a suspensão de eventos, viagens, cultos religiosos e aulas, fechamento de fronteiras e shopping, distanciamento social e trabalho de casa. Só o fechamento do comércio conta com o apoio de menos da metade da população.

Eurasia

Fortalecendo a ideia de que a crise econômica não vem exclusivamente da pandemia, Ian Bremmer, presidente da Eurasia Group (a maior consultoria de risco político do mundo) percebe Jair Bolsonaro como a liderança mundial mais ineficaz no combate ao novo coronavírus.

Impeachment

Claro, a prioridade é salvar vidas. Contudo, se o presidente da República continuar atrapalhando o combate ao novo coronavírus, há de chegar o momento em que a queda de de Bolsonaro seja prioritária, justamente para ser possível salvar mais vidas. Como o ex-presidente em exercício continuará atrapalhando, pois é essa a natureza dele (de tão abilolado, até conselheiros evitam aconselhá-lo), Brasília já se prepara. Gilmar Mendes voltou a distribuir a minuta da PEC do semipresidencialismo, advogados atuam para que Bolsonaro seja considerado incapaz para atos da vida civil, e há movimentos para que o Zero Zero se afaste para tratar da saúde, ou perca força sob a vigência de uma parlamentarismo não oficial. Lula, Rodrigo Maia e possíveis presidenciáveis, no entanto, são contra que o país se desgaste em um novo processo de impeachment – temem que o tiro saia pela culatra e finde fortalecendo quem anda perdendo força.

Entre Aspas

“Voz, coragem, coordenação. O vírus veio de fora, pegou os ricos; pegará depois os pobres. É indecente querer vantagem eleitoral e financeira. Se falta voz ao PR, que atuem Congresso, Justiça e sociedade contra o inimigo da vida. Manter posições já, brigar depois; saúde primeiro.”

Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente da República, elencando as prioridades.

Curtas

  1. No desespero, a Agência Nacional de, veja bem, Vigilância Sanitária tem sugerido que profissionais de saúde usem máscaras vencidas ou reutilizem as que estiverem em condição de uso.
  2. Se a Aeronáutica pagou 50% a mais por testes do novo coronavírus para os militares, o Ministério da Saúde pagou 67% a mais por máscaras cirúrgicas.
  3. Para enfrentar a os efeitos da covid-19, o BNDES injetará R$ 55 bilhões na economia, e o Banco Central liberará R$ 68 bilhões para que bancos possam oferecer empréstimos durante a turbulência.
  4. Mesmo com a cúpula do Congresso contrária ao adiamento, Aécio Neves apresentará uma PEC para que as eleições municipais de 2020 só ocorram em 2022.
  5. Os robôs que cometeram ataques xenofóbicos contra a China na crise diplomática gerada por Eduardo Bolsonaro findaram atingindo o empresário aliado que apresentou Paulo Guedes a Jair Bolsonaro.
  6. A Associação Nacional de Jornais atuou para que dezenas de veículos amanhecessem hoje com a mesma manchete de capa: “Juntos vamos derrotar o vírus“.
  7. Noutro ramo da comunicação, mais de 1,5 mil influenciadores digitais iniciaram uma campanha para que a população brasileira adira ao confinamento.
  8. A partir desta terça-feira, o estado de São Paulo dará início a uma quarentena que durará ao menos quinze dias – só serviços essenciais funcionarão.
  9. Um terço dos noruegueses que a covid-19 manda para UTI tem menos de 50 anos de idade.
  10. Vaiados no Brasil, médicos cubanos enviados para combater o novo coronavírus foram recebidos sob aplausos na Itália, a mesma Itália que, no final de semana, viu finalmente reduzir o total de mortes diárias.

Desenhou

Vale Seguir

Assinada por Juliano Nóbrega, Dicas é uma newsletter que oferece semanalmente uma leitura leve e rica sobre variedades. Por causa do avanço do novo coronavírus, começará a partir de amanhã a entregar também a “Dica do Dia”. Clicando na imagem abaixo, é possível conferir a edição mais recente e, se for o caso, assinar as próximas.

Clique e confira a edição #77 de Dicas

Fontes

Essa coluna só pôde ser escrita graças ao trabalho de uma imprensa profissional que apurou as informações referenciadas mais acima, e que aqui embaixo é reverenciada: Agência Brasil, Agência Pública, Aos Fatos, Congresso em Foco, Correio Braziliense, Época, Estadão, Estado de Minas, Exame, Folha de S.Paulo, G1, O Antagonista, O Globo, Reuters, The Intercept Brasil e UOL.

Jair Bolsonaro

A imagem que ilustra essa edição foi registrada em 23 de março de 2020 por Isac Nóbrega, fotógrafo da Presidência da República, em Brasília, Distrito Federal. Nela, Jair Bolsonaro, ministros e parlamentares participam de videoconferência com governadores da região Nordeste.

Não existe país decente sem imprensa livre.

Canção do dia

Porque não desejamos mal a quase ninguém. Quase.

Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

To Top