9 de abril de 2020

Escutem os especialistas, ignorem os idiotas

Em meados dos anos 1950, sem o mesmo rigor trabalhado atualmente, a indústria farmacêutica estava certa de que era seguro receitar talidomida para grávidas não mais sentirem enjoos matinais. Após 8 anos, com 46 países comercializando o produto, o sedativo foi retirado de circulação. Até 1962, mais de 10 mil bebês tinham nascido com má formação nas pernas e braços em decorrência do uso da droga. Na época, como o FDA exigiu testes mais firmes, os Estados Unidos escaparam da tragédia. Mas Alemanha, Reino Unido, Austrália e Brasil vivenciaram o drama. Desde então, o caso é exemplo da necessidade dos devidos testes de laboratório antes de uma medicação ser lançada no mercado.

Continuar lendo Escutem os especialistas, ignorem os idiotas
23 de abril de 2020

Entre tirania e corrupção, escolheram tirania, e terão corrupção

Um dia após prometer gordas fatias do governo ao que há de mais questionável no centrão, Jair Bolsonaro avisou a Sergio Moro que, na semana que vem, irá retirar Maurício Valeixo do comando da Polícia Federal. Ainda ontem, o presidente da República conversou com o governador Ibaneis Rocha sobre a possibilidade de Anderson Torres, secretário de Segurança do Distrito Federal, assumir a vaga.

Continuar lendo Entre tirania e corrupção, escolheram tirania, e terão corrupção
25 de maio de 2020

Jair Bolsonaro há muito abandonou o combate à corrupção

Em entrevista ao Fantástico, Sergio Moro confirmou o que está evidente desde meados de 2019: Jair Bolsonaro há muito abandonou a principal bandeira de campanha, o combate à corrupção. O delegado Waldir, que chegou a liderar a bancada do PSL na Câmara Federal, foi ainda mais claro, garantindo que o presidente da República “trabalhou para impedir a prisão em segunda instância” e “ajudou a colocar o Lula em liberdade”.

Continuar lendo Jair Bolsonaro há muito abandonou o combate à corrupção
29 de junho de 2020

Paulo Guedes colabora para que “liberal” volte a ser xingamento

O Brasil terminou 2019 com dez entre dez “especialistas” celebrando o que tratavam como o início de um novo ciclo virtuoso da economia. O otimismo nascia da aprovação em outubro da reforma da Previdência, uma pauta que se arrastava por longos vinte anos. Só em março, contudo, a realidade se impôs: o Produto Interno Bruto havia crescido no primeiro ano do governo Bolsonaro o mesmo 1,1% conquistado pelo governo Temer nos dois últimos anos de gestão.

Continuar lendo Paulo Guedes colabora para que “liberal” volte a ser xingamento