6 de março de 2020

Tudo por um pibinho

Desculpa não faltou. Paulo Guedes argumentou que o Brasil já tinha praticamente estagnado entre os governos Temer e Bolsonaro. Embanando-se com a própria narrativa de que um dólar alto seria positivo para o país, disse que a moeda americana só superaria os cinco reais caso o governo fizesse “muita besteira“. E, como não poderia deixar de ser, culpou a imprensa por mais uma cotação nominal recorde – o que carece de lógica.

Continuar lendo Tudo por um pibinho
17 de março de 2020

É preciso falar sobre o chimpanzé pilotando o Boeing

Um dos motores do Boeing 737 parou. O combustível está no fim. Os radares não funcionam. Não se sabe nem para qual lado fica o aeroporto mais próximo.

Na cabine, um chimpanzé.

Continuar lendo É preciso falar sobre o chimpanzé pilotando o Boeing
24 de março de 2020

Eduardo tem razão

Luciano Hang, um dos donos da Havan, vê histeria no combate ao novo coronavírus. Junior Durski, um dos donos do Madero, defende que a restrição da atividade comercial no país há de causar estragos “maiores do que os 5 ou 7 mil que vão morrer“. Roberto Justus, chairman do Grupo Newcomm, minimizou a crise tratando o novo coronavírus como uma “gripezinha leve” com sede maior pela vida de idosos.

Continuar lendo Eduardo tem razão
1 de abril de 2020

Um governo em que todo dia é dia da mentira

Pelo menos não falou do golpe“. Com estas palavras, a economista Elena Landau encontrou o que celebrar após o pronunciamento de Jair Bolsonaro desencadear o mais barulhento panelaço em quinze noites seguidas de protesto. Minutos depois, contudo, o presidente da República usava o Facebook para negar que o Brasil havia sofrido um autogolpe exatos 56 anos antes – o que só faz sentido na cabeça de quem tem rabo preso com a história.

Continuar lendo Um governo em que todo dia é dia da mentira
7 de abril de 2020

Na prática, Bolsonaro sofreu uma intervenção militar

A notícia de que Jair Bolsonaro se decidira pela demissão do ministro da Saúde foi recebida nas redes sociais com cautela. Afinal, havia o risco de tudo não passar de uma mentira disseminada com o objetivo de humilhar a imprensa, uma jogada manjada do manual de Steve Bannon. Mas o terceiro ato não se concretizou, e o presidente da República não veio a público chamar de “fake news” as informações sobre a substituição de Luiz Henrique Mandetta por Osmar Terra.

Continuar lendo Na prática, Bolsonaro sofreu uma intervenção militar