09.06.2020 - Brasília/DF - O Presidente Jair Bolsonaram caminha ao lado de ministro para o Hasteamento da Bandeira Nacional. Foto: Marcos Corrêa/PR
18 de junho de 2020 | Por Marlos Ápyus

Jair Bolsonaro se embolando sem parar

Um dia após Jair Bolsonaro, em mais uma fala golpista, prometer que estaria “chegando a hora de colocar tudo em seu devido lugar”, o Ministério Público do Rio de Janeiro achou que havia chegado a hora de colocar Fabrício Queiroz na cadeia. No presídio de Bangu, o antigo “faz tudo” da família Bolsonaro há de ter mais dificuldade para obstruir as investigações sobre a organização criminosa que atuava no gabinete de Flávio Bolsonaro no Rio de Janeiro.

Continuar lendo Jair Bolsonaro se embolando sem parar
Pixabay
19 de junho de 2020 | Por Marlos Ápyus

Não existe país decente sem imprensa livre

Mesmo como um contraponto democrático à ascensão de Jair Bolsonaro, Lula não se cansava de repetir que iriaregular os meios de comunicação“, um eufemismo para censura. Tanto que, posta em prática na Venezuela, a tal regulação serviu apenas para calar veículos críticos ao chavismo.

Continuar lendo Não existe país decente sem imprensa livre
11.02.2020 - Brasilia/DF - O presidente Jair Bolsonaro o vice Hamiltom Mourão durante cerimônia de Assinatura do Decreto de Criação do Conselho da Amazônia. Foto:Isaac Amorim/MJSP
23 de junho de 2020 | Por Marlos Ápyus

Governo Bolsonaro: o começo do fim?

Nem passa pela minha cabeça. O nosso presidente se chama Jair Bolsonaro, seu primeiro governo vai até 2022. E, se o povo brasileiro assim o quiser, ele prossegue até 2026“. As aspas partiram de Hamilton Mourão ao responder se estava preparado para eventualmente assumir a Presidência da República. O mais estranho, contudo, é o vice-presidente precisar oferecer esse tipo de garantia num governo que ainda não completou um ano e meio de mandato.

Continuar lendo Governo Bolsonaro: o começo do fim?
10.06.2020 - Brasília/DF - O presidente Jair Bolsonaro, Paulo Guedes durante videoconferência. Foto: Isac Nóbrega/PR
29 de junho de 2020 | Por Marlos Ápyus

Paulo Guedes colabora para que “liberal” volte a ser xingamento

O Brasil terminou 2019 com dez entre dez “especialistas” celebrando o que tratavam como o início de um novo ciclo virtuoso da economia. O otimismo nascia da aprovação em outubro da reforma da Previdência, uma pauta que se arrastava por longos vinte anos. Só em março, contudo, a realidade se impôs: o Produto Interno Bruto havia crescido no primeiro ano do governo Bolsonaro o mesmo 1,1% conquistado pelo governo Temer nos dois últimos anos de gestão.

Continuar lendo Paulo Guedes colabora para que “liberal” volte a ser xingamento
25.06.2020 - Brasília/DF - Jair Bolsonaro assina do termo de posse de Carlos Alberto Decotelli, ministro da Educação. Foto: Marcos Corrêa/PR
3 de julho de 2020 | Por Marlos Ápyus

Ingrediente de bomba relógio

Desde fevereiro de 2009, José Sarney cumpria um terceiro mandato como presidente do Senado. Alguns meses depois, veio à tona que João Sarney, neto do ex-presidente da República, recebera por 18 meses um salário de R$ 7,6 mil para, mesmo sem terceiro grau, trabalhar no gabinete de um aliado do avô.

Continuar lendo Ingrediente de bomba relógio
10.06.2020 - Brasília/DF - Jair Bolsonaro e Paulo Guedes participam de videoconferência. Foto: Isac Nóbrega/PR
6 de julho de 2020 | Por Marlos Ápyus

A pandemia não é desculpa para os erros do governo Bolsonaro

Ontem, em entrevista sobre a retomada em um “Brasil Pós-Pandemia“, Paulo Guedes disse que, se o Plano Real fosse mesmo tão extraordinário, o PSDB não teria perdido “quatro eleições seguidas“. Mas, por óbvio, era só mais uma “guedice”.

Continuar lendo A pandemia não é desculpa para os erros do governo Bolsonaro
01.01.2003 - Brasília/DF - Acompanhado das esposas, FHC transmite a faixa presidencial para Lula. Foto: Marcello Casal Jr./ABr
13 de julho de 2020 | Por Marlos Ápyus

Ao mercado brasileiro

Fernando Collor de Mello terminou o primeiro turno de 1989 com 30% dos votos. Vencida por Lula, a disputa pela segunda vaga do segundo turno contou ainda com Leonel Brizola na terceira posição; e, um pouco mais atrás, Mário Covas. O trio somou 30 milhões de votos, ou 50% a mais do que os 20 milhões que o candidato do PRN recebeu. Natural, portanto, imaginar que união levaria à vitória. Desta forma, PT, PCdoB, PSB, PDT e PSDB pediram para que os eleitores votassem 13 no 17 de dezembro de 1989.

Continuar lendo Ao mercado brasileiro