Grande História

A “Terra Plana” do bolsolavismo não gira, ela capota

29.04.2020 - Brasília/DF - Audiência com Braga Netto, Ministro-Chefe da Casa Civil da Presidência da República; Paulo Guedes, Ministro de Estado da Economia; Luiz Eduardo Ramos, Ministro-Chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República; e Deputado Fábio Faria (PSD/RN). Foto: Marcos Corrêa/PR

Os alvos da PF, as medidas de Moraes, a reação do gabinete do ódio, a sabujice dos toffolistas, a guerra entre os poderes, e muito mais.

Um dia após avançar contra Wilson Witzel, um dos principais adversários políticos de Jair Bolsonaro, a Polícia Federal cumpriu 29 mandados de busca e apreensão expedidos por Alexandre Moraes no polêmico inquérito em que o próprio STF apura a disseminação de notícias falsas. Dentre os alvos, havia 6 deputados federais do PSL, dois deputados estaduais da mesma sigla, quatro empresários bolsolavistas e todo um elenco bizarro de influenciadores digitais que aqui nem serão nomeados pois, como ensinou Ricardo Boechat, não se deve dar palanque para otário.

Cabe a menção “desonrosa”, contudo, a Luciano Hang, proprietário das lojas Havan, que teve os sigilos bancário e fiscal quebrados. E a Roberto Jefferson, ex-deputado federal que chegou a cumprir pena por obra do mensalão, mas achou que cairia bem encerrar a carreira protagonizando um golpe de Estado — que ainda não aconteceu e, se tudo der certo, jamais ocorrerá.

Bloqueou, listou, constatou, incluiu

Moraes bloqueou as redes sociais dos envolvidos, listou sete crimes da parte de Jefferson, mapeou a ação coordenada do “gabinete do ódio”, constatoua existência de um mecanismo coordenado de criação, divulgação e disseminação de notícias ofensivas e fraudulentas por intermédio de publicações em redes sociais, atingindo um público diário de milhões de pessoas, de maneira a expor a perigo de lesão a independência dos poderes e o Estado de Direito”, e incluiu o período eleitoral na quebra de sigilo dos empresários, o que pode abrir espaço para uma cassação da chapa vitoriosa em 2018. O PT, inclusive, já avalia pedir o compartilhamento de provas para uma ação do tipo que corre no TSE.

Explicações

Na véspera, dentro do mesmo inquérito, Moraes já havia determinado que Abraham Weintraub se explicasse sobre a manifestação golpista registrada na reunião ministerial de 22 de abril passado.

O ex-advogado do PT

Poupados dessa etapa do trabalho, Eduardo e Carlos Bolsonaro reclamaram um monte do que chamam de “inquérito político e ideológico“. O pai da dupla, que trocou o número do celular após Celso de Mello encaminhar à PGR um pedido de retenção do aparelho, correu para encontrar no hospital o homem que, desde maio de 2019, conta vantagem de ter evitado que este maldito governo tivesse um fim precoce: Dias Toffoli.

Sabujice

Mesmo ausente da agenda oficial, o encontro deve ter sido frutífero, pois os aliados de Toffoli, que apoiavam o inquérito tocado por Moraes, simplesmente mudaram de opinião em movimento sincronizado. Enquanto a Advocacia-geral da União se preparava para ir de encontro ao posicionamento de 2019 e pedir a nulidade do inquérito, Augusto Aras, que também concordava com o trabalho do STF, já tinha pedido a Edson Fachin a suspensão da tramitação — algo semelhante ao arquivamento ordenado por Raquel Dodge que, no ano passado, de nada adiantou.

Quem cerca quem?

Em paralelo, integrantes do Palácio do Planalto espalhavam na imprensa que, ao apurar os desmandos de um punhado de blogueiros sujos, o STF estava cercando o presidente da República. Mas como não chamar de “cerco” as investigações que Aras toca contra oito governadores em perfeito alinhamento com os interesses golpistas de Bolsonaro?

Viva o globalismo

Ao final da tarde, veio a notícia de que o presidente cogitava, em resposta a Moraes, impedir que Weintraub preste esclarecimentos. A audácia seria tamanha que Bolsonaro estuda renomear Alexandre Ramagem, o fantoche de Carluxo, para o comando da PF. Antes de uma reunião ministerial convocada de urgência, discutiu-se até a possibilidade de recursos a cortes internacionais, o que soa uma graça vindo de quem vivia a pregar contra as interferências externas dos “globalistas“. Afinal, como já virou bordão nas redes socais, a Terra Plana não gira, ela capota.

Fontes

Esse texto só pôde ser escrito graças ao trabalho de uma imprensa profissional que apurou as informações referenciadas mais acima, e que aqui embaixo é reverenciada: CNN Brasil, Consultor Jurídico, Correio Braziliense, Crusoé, El País, Época, Estadão, Folha de S.Paulo, G1, O Antagonista, O Globo, R7, The Guardian, UOL e Veja.

Não existe país decente sem imprensa livre.

Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

To Top