Grande História

Quem quer criar desordem

Jair Bolsonaro

Manifestação golpista, avanço do novo coronavírus, afastamento de Bolsonaro, teto de gastos, morte de Bebianno, e muito mais.

Jair Bolsonaro deveria ficar em isolamento enquanto aguardava por um terceiro teste de novo coronavírus. Mas, ao lado do diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, o presidente da República aproveitou o domingo para acompanhar a manifestação golpista que, mesmo esvaziada, pregava em várias cidades do país o fechamento do Congresso e STF. No trajeto, a dupla teve contato direto com 272 manifestantes.

Até o momento, a reação dos principais alvos do protesto foi publicar tweets. Rodrigo Maia, em tom mais duro que o habitual. Davi Alcolumbre, em clima pacificador. Ambos apostam que magicamente Bolsonaro passará a cultivar valores democráticos na semana em que completará 65 anos de vida. Mas Dias Toffoli fez pior: manteve-se calado.

Na réplica, em entrevista à recém inaugurada CNN Brasil, o presidente da República dobrou a aposta, provocando os presidentes da Câmara e Senado a protagonizarem atos semelhantes como se fossem igualmente irresponsáveis. Na manhã dessa segunda, Bolsonaro disse que ignoraria o isolamento enquanto não fizesse o novo exame.

Paciência esgotada

Diante do exposto, Miguel Reale Júnior, um dos autores do impeachment de Dilma Rousseff, defendeu que uma junta médica avaliasse a sanidade do presidente da República. Janaina Paschoal, co-autora do pedido, foi ainda mais dura: entendeu que o presidente cometeu um crime contra a saúde pública, assumiu estar arrependida do voto proferido em 2018, e defendeu o afastamento de Jair Bolsonaro. Amanhã mesmo, o deputado federal Alexandre Frota deve entregar um primeiro pedido de impeachment – coisa que essa coluna acha pouco.

Até o momento, uma dúzia de pessoas que encontram Bolsonaro já confirmaram ter a doença. Para a sorte do país, Sergio Moro deve assinar uma portaria que permite a internação compulsória de pessoas com suspeita de covid-19. Para azar, são mínimas as chances de uma iniciativa do tipo se voltar contra o presidente da República.

Emblemático

Ao fim da manifestação golpista, no que pode ser entendido como um símbolo da divisão posta no país, dois homens com a bandeira do Brasil discutiam com duas mulheres na avenida Paulista, em São Paulo, quando um deles atirou na perna de uma delas.

Entre Aspas

“AI-5! AI-5! AI-5! AI-5!”

Grito dos manifestantes enquanto Jair Bolsonaro subia a rampa do Planalto acenando para o público presente.

Imprudentes

Dois dias antes da manifestação golpista, Fábio Wajngarten surgiu nas manchetes minimizando a doença que havia adquirido. A deputada federal Carla Zambelli argumentou que não podia proibir as pessoas de saírem de casa. Já no final de semana, enquanto o bispo Edir Macedo espalhava desinformação, o deputado federal Marco Feliciano estimulava o protesto, e a convocação de Olavo de Carvalho ganhava o mundo pelo WhatsApp, o pastor Silas Malafaia seguia recomendando que os fiéis frequentassem os templos religiosos – o que não deixa de ser uma aglomeração indesejada.


Responsáveis

Ronaldo Caiado preferiu ser vaiado a sonegar que os manifestantes estavam sendo irresponsáveis. A UNE e as centrais sindicais puseram a mão na consciência ao cancelarem a manifestação convocada para a próxima quarta-feira. Até o Estado Islâmico (!!!) recomendou a seus terroristas que evitassem a exposição ao novo coronavírus.

Aldeia global

Foram 368 mortes na Itália apenas no domingo. Se a França não quer saber de aglomerações com mais de 100 pessoas, Israel não quer saber de um décimo disso. A China viu a economia ruir. A Europa decidiu fechar as fronteiras por 30 dias. Mesmo com os Estados Unidos baixando a taxa de juros a praticamente zero, o dia registrou mais um circuit breaker na Bovespa. O Banco Central brasileiro percebeu que a pandemia avança mais rápido por aqui, o que pode fazer o sistema de saúde entrar em colapso. Mesmo assim, os especialistas do Boletim Focus projetam um crescimento de 1,68% para a economia brasileira em 2020 – o que seria o melhor resultado desde 2013, mas carece de noção da realidade.

Desenhou

Furando o teto

Com a concordância de Drauzio Varrela, a oposição tem usado o avanço do novo coronavírus para que o “teto dos gastos”, uma das conquistas mais suadas do governo Temer, seja revisto. Mas Pedro Fernando Nery, consultor legislativo do Senado, alertou nas redes sociais que não há teto de gastos para a Saúde.

Medo de morrer

O sábado amanheceu com a estranha notícia de que Gustavo Bebianno, um homem de 56 anos que não bebia ou fumava, e que, por medo de morrer, mantinha no exterior informações importantes contra o presidente da República, morreu de uma infarto no miocárdio. Bebianno prometia contar à CPMI das Fake News, por exemplo, o que sabia sobre o “gabinete do ódio“. Não à toa, amigos cobraram uma investigação do caso. Diferente da deputada federal Carla Zambelli, que usou a Bíblia para explorar politicamente a morte do ex-aliado. Em uma carta para ser divulgada apenas em caso de morte, Bebianno ainda chamava Jair Bolsonaro de “meu amado Capitão“. Do governo do “amado Capitão”, no entanto, só Hamilton Mourão, vice-presidente da República, e Abraham Weintraub, ministro da Educação, emitiram notas de pesar.

Um Pio

Curtas

  1. Segundo a Fox News, partiu de um porta-voz e do próprio Eduardo Bolsonaro –que segue em negação– a confirmação de que um primeiro teste de Jair Bolsonaro dera positivo para covid-19.
  2. Nem o jurídico do Palácio do Planalto possui os documentos que supostamente provariam a fraude mais fracassada de todos os tempos – uma vez que Jair Bolsonaro venceu os dois turnos da eleição de 2018.
  3. Como ainda há ministros em Brasília, Bruno Dantas, do TCU, suspendeu a irresponsável ampliação do BPC aprovada recentemente pelo Congresso.
  4. Ao ser provocado a criticar o desmonte do combate à corrupção ocorrido durante o governo Bolsonaro, Deltan Dallagnol preferiu criticar a pergunta.
  5. O Facebook, que anda questionando a investigação das milícias envolvidas na morte de Marielle Franco, foi acusado de obstruir o trabalho da CPMI das Fake News.
  6. Oi TV, Claro e Sky liberaram gratuitamente a programação paga de seus canais para que as pessoas fiquem em casa durante o confinamento.
  7. Explicado o mistério que fazia com que o TikTok fosse a rede com os usuários mais belos, saudáveis e talentosos: os moderadores foram instruídos a censurar nudez, pobreza, pessoas feias, rugas e conteúdo político.
  8. Provando que a irresponsabilidade não é monopólio da direita, López Obrador, presidente do México, também se jogou na multidão em pleno avanço do novo coronavírus.
  9. No dia em que, pela primeira vez na história, a cotação do dólar fechou o pregão acima dos cinco reais, as bolsas desabaram pelo mundo, e a conta do ministério da Saúde totalizou 234 casos de covid-19 no Brasil – até o momento.
  10. É possível comemorar ao menos o fato de o mundo ter conseguido, em quase 40 anos, curar o segundo paciente de HIV.

Vale Seguir

De acordo com a própria bio, Atila Iamarino é “biólogo, pesquisador e comunicador científico“. E tem se esforçado para tirar dúvidas dos seguidores sobre a pandemia do novo coronavírus.

Fontes

Essa coluna só pôde ser escrita graças ao trabalho de uma imprensa profissional que apurou as informações referenciadas mais acima, e que aqui embaixo é reverenciada: BBC, Congresso em Foco, Correio Braziliense, EBC, Época, Estadão, Folha de S.Paulo, G1, O Antagonista, O Globo, O Tempo, R7, The Intercept BR, UOL, Valor Econômico e Veja.

Jair Bolsonaro

A imagem que ilustra essa edição foi registrada por José Cruz em Brasília para a Agência Brasil. Nela, Jair Bolsonaro acompanha, da área externa do Palácio do Planalto, a manifestação golpista dos apoiadores do governo.

Não existe país decente sem imprensa livre.

Canção do dia

Porque é preciso saber separar quem quer manter a ordem de quem quer criar desordem.

Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

To Top